Páginas

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

O exemplo arrasta


Um amigo recém-chegado da Europa contou-nos uma experiência curiosa.

Disse que caminhava pelas ruas de determinada cidade européia, em companhia de seu anfitrião, quando resolveu atravessar a rua a alguns metros da faixa de segurança.

O anfitrião segurou-o pelo braço, impedindo o gesto e observou:

Não faça isso! Crianças podem estar nos observando e fatalmente irão imitar nossa atitude, atravessando a rua fora da faixa de segurança. Não sejamos nós exemplo de indisciplina.

Se todos pensássemos e agíssemos assim, a disciplina seria uma realidade em qualquer situação.

Ao contrário, mesmo conduzindo as crianças dentro do próprio veículo, damos múltiplos exemplos de indisciplina.

Avançamos o sinal, paramos em fila dupla, fazemos ultrapassagens perigosas, excedemos os limites de velocidade, entre outras infrações.

O que poderemos esperar das crianças que convivem constantemente com essas situações?

Não nos iludamos que elas, quando crescerem, agirão de forma diferente, pois o exemplo arrasta. Principalmente o exemplo dos pais que, de maneira geral, os filhos têm como heróis.

Esses hábitos observados desde a infância, formarão o caráter dos pequenos, que mais tarde estarão dirigindo pelas ruas e rodovias, tal qual aprenderam com seus pais e outros adultos.

Junto a esses exemplos de indisciplina, há outros não menos prejudiciais.

A mentira, a corrupção, a preguiça, a acomodação, a violência, a indiferença, entre outros.

Alguns pais dirão que, para certos filhos, o exemplo não resolve.

Diremos que, embora os resultados não apareçam de imediato, mais tarde germinarão e frutificarão, desde que as sementes foram lançadas.

E se reforçarmos, com a nossa má conduta, a rebeldia que já trazem do passado, estaremos deformando ainda mais o seu caráter, e responderemos por isso.

Não olvidemos que nossos filhos são Espíritos reencarnados e, como tal, trazem a bagagem de experiências vividas ao longo das existências.

Experiências felizes ou não, que cabe aos pais perceber e trabalhar de forma eficiente nessas almas que Deus lhes confia como filhos.

Assim, tenhamos em mente que sempre poderá haver alguém mirando-se nos nossos exemplos.

Por isso, esforcemo-nos para dar exemplos dignos de serem imitados.

Lembremos que somos responsáveis, perante as Leis Divinas, por tudo o que resulte do nosso comportamento. 




Não basta apenas não praticar o mal, para corresponder às Leis Divinas.

Dizem os Espíritos Superiores que é preciso fazer o bem na medida de nossas forças. E que responderemos por todo o mal que resulte do fato de não termos praticado o bem.


Nenhum comentário: